Translate

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Criptozoologia - Ziz

Ziz (Hebraicoזיז) é, na mitologia judaica, uma ave gigante, tão grande que bloqueia a luz do sol com a envergadura das suas asas.
É considerado como um arquétipo das criaturas monstruosas. 
Behemoth, Leviatã e Ziz são motivos tradicionais de decoração no artesanato judaico.

Alguns criacionistas o identificaram como uma espécie de pterossauro, o Quetzalcoatlus, que foi o maior animal alado da história geológica da Terra.


Embora não se tenha um relato direto na Bíblia sobre o Ziz, ele é mencionado em "Amanhã descereis contra eles; eis que sobem pela ladeira de Ziz, e os achareis no fim do vale, diante do deserto de Jeruel." (2 Crônicas 20:16).
A ladeira de Ziz era o passo, ou caminho, pelo qual os exércitos de Moabe, de Amom e dos amonins vieram na verdade contra Judá durante o reinado do Rei Jeosafá (936-c. 911 AEC).
Costuma ser identificado com o uádi Hasasa (Nahal Hazezon), a uns 15 km ao SE do lugar sugerido de Tecoa e a uns 10 km ao NO de En-Gedi. — 2Cr 20:1, 2, 16, 20.



domingo, 10 de dezembro de 2017

Donald Trump reconhece Jerusalém como capital de Israel



Nesta quarta-feira (06/12) o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu Jerusalém como capital de Israel e ordenou que a embaixada americana fosse transferida de Tel Aviv onde está até o momento para Jerusalém.
Varios apelos foram feitos para que está descisão não fosse tomada, pois palestinos querem Jerusalem Oriental como capital de um futuro Estado.
Trump anunciou em seu discurso feito na Casa Branca.

  “Meu anúncio marca o inicio de uma nova abordagem no                                 conflito entre Israel e palestinos”
"Hoje finalmente reconhecemos o óbvio: que Jerusalém é a capital de   Israel", disse Trump.
"Isso é nada mais nada menos do que o reconhecimento da realidade. Também é a coisa certa a fazer.
É algo que tem que ser feito".


“Com este anúncio, reafirmo o comprometimento da minha administração com um futuro de paz”

Trump disse que os EUA estão “profundamente comprometidos” em organizar e facilitar um “acordo de paz aceitável” para palestinos e israelensese apoa uma solução de dois Estados no Oriente Médio, caso os dois lados queiram isto.
Para Trump, Jerusalém deve continuar sendo um lugar sagrado e local de veneração e culto de Judeus, muçulmanos e cristãos.
Disse também, que o dia pede “calma, vozes de moderação”, para que assim o ódio não vença a paz e a ordem.

Mike Pence vice-presidente americano estaria com viagem marcada para o Oriente Médio nos dias que se seguem.

Este anuncio, Donald  Trump, cumpre uma promessa feita em sua campanha eleitoral do ano passado, como forma de agradar a base Pró-Israel de direta que o apoiou a conquistar a presidência.

Esta decisão cumpre a lei de prevê o reconhecimento de Jerusalém adotado pelo congresso americano de 1995.
A aplicação desta lei vinha sendo prorrogada nas ultimas duas décadas, com a desculpa de “interesses de segurança nacional”.
Em junho, ele mesmo adiou está decisão de lei por mais seis meses.

"Depois de mais de duas décadas de adiamento, não estamos mais perto de um acordo de paz duradouro entre Israel e palestinos", disse Trump.
"Seria loucura assumir que repetir a mesma fórmula produziria um resultado diferente ou melhor".



Reações:

Benjamin Netanyahu primeiro-ministro de Israel, respondeu este anúncio como sendo uma “decisão valente e justa” e um “marco histórico”.
E acrescentou que “qualquer acordo de paz entre palestinos deve incluir Jerusalém como capital Israelense” e pediu que países sigam os Estados Unidos nesta tomada de transferir suas embaixadas para Jerusalém.

Mahmud  Abbas, presidente da Autoridade Palestina, afirmou que Trump “violou todas as resoluções e acordos internacionais” e que os EUA assim perdem o status de mediador na tomada de paz entre estas nações.

E acrescentou, “Jerusalém é a eterna capital do Estado da Palestina”.

França, Turquia, Egito, Jordânia e Irã desaprovaram está tomada de Trump.

Antonio Guterres, secretário-geral da ONU, afirmou o apoio para que israelenses e palestinos retornem as negociações.
“Não há alternativa a solução de dois Estados, não existe plano B”.

Ligações adversas:


Trump, fez diversas ligações para que lideres árabes para falar sobre a intenção de transferência da embaixada americana em Israel para Jerusalém.

Mahmoud Abbas, presidente palestino, o Rei Abdullah da Jordania e o presidente do Egito, Abdel Fattah AL-Sisi disseram que está tomada do líder americano é uma decisão unilateral, e poderá desencadear mais conflitos no local.

Trump noticifou Abbas “suas intenções de mover a embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém”, disse o porta-voz do líder palestino, Nabil  Abu Rdainah.

Abbas afirmou “alertou o perigo de tal tomada de decisão no processo de paz e também para a paz, segurança e estabilidade da região e no mundo”, apelou também para lideres religiosos e políticos como o Papa Francisco, lideres da Russia, França e da Jordania intervenham nesta decisão.

O presidente egípcio alertou Trump que isso iria prejudicar as chances de paz no Oriente Médio
O rei da Jordânia advertiu “esta medida trará graves conseqüências na estabilidade e segurança do local”. “Irei obstruir os esforços norte-americanos de retomar as negociações de paz entre palestino e israelenses”. Comunicou o ministro de Relações Exteriores jordaniano.

Recep Tayyip Erdogan, presidente turco, disse a Trump sobre o status de Jerusalém é “uma linha vermelha” para muçulmanos. Também ameaçou romper relações diplomáticas com Israel caso os EUA transferisse sua embaixada.
"Senhor Trump, Jerusalém é uma linha vermelha para os muçulmanos. É uma violação da lei internacional tomar uma decisão apoiando Israel enquanto as feridas da sociedade palestina ainda estão sangrando", completou Erdogan.

 


Protestos:

Ocorreram diversos protestos contra a tomada de Donald Trump e sua decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel. Ocorreram protestos na Alemanha, Turquia, Índia, Indonésia, Jordânia e Malásia.

Este seria o 1º dos “três dias de fúria”, convocados pelo Hamas, movimento islâmico com atuação política e um braço armado.
Ismail Haniyeh, eleito líder geral do grupo em maio, pediu que palestinos, muçulmanos e árabes se manifestem contra a decisão dos Estados Unidos. "Deixem 8 de dezembro ser o primeiro dia da intifada contra o ocupante", disse Haniyeh, que chamou esta sexta de "dia da raiva".

Alemanha:

Em Berlim, na Alemanha, um grupo se reuniu em frente à embaixada americana com placas contrárias à decisão do presidente Trump.


Indonésia:


Na Indonésia, alguns manifestantes queimaram a bandeira americana em frente à embaixada em Jacarta onde se reuniram levando cartazes e bandeiras da Palestina.
O porta-voz da polícia de Jacarta, Argo Yuwono, estimou em declarações à agência Efe que cerca de 500 pessoas se reuniram na capital sem que se registrassem distúrbios maiores. Em Surabaya, a segunda maior cidade do país em número de habitantes, outros grupos se concentraram em frente ao consulado americano. 


Malásia:


Na capital da Malásia, Kuala Lumpur, pelo menos mil pessoas gritaram palavras de ordem contra Trump e queimaram figuras e fotos do governante perto da embaixada dos EUA, segundo o jornal "Malasiakini".
O protesto contou com a participação de líderes e membros do partido governante Organização Nacional para a Unidade da Malásia (UMNO), grupos que representam a maioria de etnia malaia e religião muçulmana e ONGs islâmicas.
Nesta sexta-feira, dia da grande oração na Esplanada das Mesquitas, Israel reforçou a segurança em Jerusalém. 


Jordânia:


Em Amã, capital da Jordânia, manifestantes também se reuniram em uma passeata contra a decisão de Washington. Eles levaram cartazes, bandeiras da Palestina e gritaram palavras de ordem contra o presidente Trump.


sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Divindades - Rá

Rá ou  (em egípcio: *ri:ʕu), é o deus do Sol do Antigo Egito.
No período da Quinta Dinastia (2479 – 2311 AC) se tornou uma das principais divindades da religião egípcia, identificado primordialmente com o sol do meio-dia
O principal centro de seu culto era a cidade de Heliópolis (chamada de Inun, "Local dos Pilares", em egípcio), onde era identificado com o deus solar local, Atum
Através de Atum, ou como Atum-Ra, também era visto como o primeiro ser, responsável pela egípcia Enéade, que consistia de Shu e TefnutGebe NutOsírisSethÍsis e Néftis.
Nos textos das pirâmides, Hórus são claramente distintos (por exemplo, Hórus remove para o sul do céu o trono de Rá), mas em dinastias posteriores Rá foi fundido com o deus Hórus, formando Re-Horakhty ("Rá, que é o Hórus dos Dois Horizontes"), e acreditava-se que era soberano de todas as partes do mundo criado (o céu, a terra e o mundo inferior.)
 É associado com o falcão ou o gavião.
No Império Novo o deus Amon se tornou proeminente, após fundir-se com Rá e formar Amon-Rá.
Durante o Período de Amarna, Aquenáton modificou o culto de Rá para Aton, outra versão da divindade solar, porém com a sua morte o culto tradicional de Rá foi restaurado.
O culto do touro Mnévis, uma encarnação de Rá, também teve seu centro em Heliópolis, onde existia um cemitério oficial para os touros sacrificados.
Uma das versões do mito, todas as formas de vida teriam sido criadas por Rá, que as chamou à existência pronunciando seus nomes secretos.
De acordo com outra das versões, os seres humanos teriam sido criados a partir das lágrimas e do suor de Rá, motivo pelo qual os egípcios se chamavam de "Gado de Rá".
No mito da Vaca Celestial se descreve como a humanidade teria tramado contra Rá, e como ele teria enviado seu olho, na forma da deusa Sekhmet, para puni-los, que acabou por se tornar sedenta por sangue, e só foi pacificada com a mistura de cerveja e tinta vermelha.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

O primeiro restaurante de carne humana em Tóquio

Em Tóquio foi inaugurado o primeiro restaurante "legal" de carne humana. 
O lugar está longe da cidade , mas recebe muitas visitas de pessoas curiosas que desejam saber como é a carne humana.
De acordo com um usuário argentino, que foi o primeiro sul-americano a visitar este lugar, a carne humana tem um gosto semelhante à da porco, mas com uma textura ligeiramente mais difícil. 
Além disso, isso depende da parte que você tenta, e as nádegas são a parte mais macia, de acordo com o portal El Debate.
De acordo com uma lei aprovada no Japão em 2014, o consumo de carne humana é legal, normas sanitárias estabelecidas, especialmente a origem da carne. 
Como os locais dedicados ao canibalismo.
Esta carne humana é obtida em pessoas que, antes de morrer, decidem vender seus corpos para serem consumidos.
Os pratos neste restaurante fazem fronteira com os 1.200 euros (como 908 mil pesos chilenos) e a razão pela qual são tão caros é que sua origem é oficial.
Uma pessoa que decide vender seu corpo para consumo pode receber até 30 mil euros por isso, mas somente se o "doador" for jovem, quanto mais velho for, menor será o pagamento para seu corpo. 
Além disso, esse dinheiro é obtido pela família, uma vez que o pagamento é posterior ao fato de o doador morrer.
Além disso, aqueles que vendem seu corpo devem comprometer-se a seguir um tratamento médico especial, que evita a deterioração da carne após a morte da pessoa. 
As mortes devem ser naturais, uma vez que o sacrifício humano é ilegal no Japão.
O que você acha?


segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Carro é encontrado quase 30 anos após ser roubado

Um carro roubado há cerca de 27 anos na cidade americana de Medford foi descoberto nesta semana na cidade de Trail, ambas no Oregon.

O veículo, um Porsche 924 anos 1979, havia sido roubado de um estacionamento de um cinema e foi encontrado, virado e bastante danificado, em uma região de bosque próximo a uma estrada, por um homem que estava caminhando com seu cachorro.




domingo, 3 de dezembro de 2017

Soldados reverenciam cão na China

Uma foto divulgada pela agência Reuters mostra um grupo de soldados aparentemente "batendo continência" para um cachorro durante uma troca de guarda na cidade chinesa de Suqian, na província de Jiangsu. O cachorro militar ficou de pé na hora da troca da guarda bem em frente do pelotão.


sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Divindades - Anúbis

Anúbis (em grego antigo: Ἄνουβις) ou Anupo foi como ficou conhecido pelos gregos, deus egípcio antigo dos mortos e moribundos, guiava e conduzia a alma dos mortos no submundo, Anúbis era sempre representado com cabeça de chacal, mas outras fontes afirmam que o animal em questão é o coiote, entretanto os egiptólogos mais conservadores afirmam que não há como saber com certeza, era sempre associado com a mumificação e a vida após a morte na mitologia egípcia, também associado como protetor das pirâmides.

Na língua egípcia, Anúbis era conhecido como Inpu (também grafado AnupAnpu e Ienpw). 

A menção mais antiga a Anúbis está nos Textos das Pirâmides do Império Antigo, onde frequentemente é associado com o enterro do Faraó. 
Na época, Anúbis era o deus dos mortos mais importante, porém durante o Império Médio, Osíris, passou a ter a função de deus primordial dos mortos, enquanto que Anúbis tinha funções menores como, por exemplo, o preparo do corpo e embalsamento dos mortos, além disso, era o protetor do processo de mumificação.
Assume nomes ligados ao seu papel fúnebre, como Aquele que está sobre a sua montanha, que ressalta sua importância como protetor dos mortos e de suas tumbas, e o título Aquele que está no local do embalsamamento, associando-o com o processo de mumificação. 

Como muitas divindades egípcias, Anúbis assumiu diversos papéis em vários contextos, e nenhuma procissão pública no Egito era realizada sem uma representação de Anúbis marchando em seu início.
A esposa de Anúbis é a deusa Anput, seu aspecto feminino, e a sua filha é a deusa Kebechet.
Os egípcios acreditavam que no julgamento de um morto, o coração dele era pesado numa balança e a Pena da Verdade (que pertencia à consorte de Toth, Maat, a deusa da verdade).
Caso o coração fosse mais pesado que a pena o defunto era comido por Ammit (um demônio cujo corpo era composto por partes híbridas de leão, hipopótamo e crocodilo), mas caso fosse mais leve a pessoa em questão poderia ter acesso ao paraíso ou a alma voltaria ao corpo. Anúbis era quem guiava a alma dos mortos.

Mumificação:
Após ser despedaçado pelo irmão, Seth, Osíris tem seu corpo embalsamado por Anúbis,tornando-o a primeira mumia, e fazendo com que se torne o deus do embalsamento.
Os sacerdotes de Anúbis, chamados Stm, usavam máscaras de chacais durante os rituais de mumificação.
Anúbis é uma das mais antigas divindades da mitologia egípcia e seu papel mudou à medida que os mitos amadureciam, passando de principal deus do mundo inferior a juiz dos mortos, depois que Osíris assumiu aquele papel.
O papel funerário de Anúbis é muito importante, pois depois da mumificação os egípcios acreditavam que o coração era entregue ao deus Anúbis, ele pesava-o em conjunto com a Pena da Verdade, se o coração fosse mais pesado que a pena, era pesado de maldade e Ammit, o deus leão, comia-o, mas se fosse leve de bondade, Anúbis levava-o num barco a atravessar o rio Nilo para ir ter com o deus Osíris, deus da morte e do Submundo, ao mundo dos mortos, para viver a "vida depois da morte".

Chacal:
A associação de Anúbis com chacais ou cães provavelmente se deve ao fato de estes perambularem pelos cemitérios.
Anúbis era pintado de preto, por ser escura a tonalidade dos corpos embalsamados.
Apesar de muitas vezes identificado como sab, o chacal, e não como iwiw, o cachorro, ainda existe muita confusão sobre qual animal Anúbis era realmente.
Alguns egiptólogos se referem ao "animal de Anúbis" para indicar a espécie desconhecida que ele representava.
As cidades dedicadas a Anúbis eram conhecidas pelo grande número de múmias e até por cemitérios inteiros de cães.

Família:
A sua mãe é Néftis, que durante uma briga com o marido Seth passou-se por Ísis e teve relações com Osíris.
Anúbis é pai de Qeb-hwt, também conhecido como Kebechet.

Em épocas mais tardias, Anúbis foi combinado com o deus grego Hermes, surgindo assim Hermanúbis.